sexta-feira, agosto 12

Financiamento imobiliário para autônomos: entenda como funciona!

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +

Comprar um apartamento ou casa é o objetivo de vida de muitas pessoas. Afinal, nada como ter seu próprio imóvel para morar bem ou investir. Contudo, quando se é autônomo sempre surgem dúvidas quanto à possibilidade de pagamento. Felizmente, fazer o financiamento imobiliário para autônomos é possível, mas precisa de certos cuidados. 

No post a seguir, confira como é possível fazer um financiamento sendo autônomo e como ele funciona. Veja também quais formas você pode usar para comprovar a renda.

Boa leitura! 

É possível fazer financiamento imobiliário sendo autônomo? 

Fazer um financiamento de imóvel sempre foi um processo cheio de detalhes. Afinal, a instituição, geralmente bancária, precisa checar diversas informações referentes ao imóvel e à pessoa, para que ocorra a aprovação. Depois, quem financia começa um longo período de pagamentos, que pode durar décadas. Ou seja, é um processo arriscado para o banco, dada a possibilidade de que a pessoa não consiga quitá-lo.

Por esse motivo, antigamente, muitos financiamentos só eram aprovados com base em uma renda certa e constante, proveniente do contrato com uma empresa e comprovada com carteira assinada e holerite. Assim, a maior dúvida para quem é autônomo é se também seria possível financiar o seu imóvel, mesmo sem ter carteira assinada. 

Felizmente, a resposta é sim. Com novas formas de trabalho surgindo, os bancos flexibilizaram os financiamentos para atender novos públicos, inclusive os autônomos. Nesse caso, continua essencial a comprovação de renda, que pode ser feita de outras formas. 

Como funciona o financiamento imobiliário para autônomos? 

Esse é um processo um pouco mais complexo do que um de carteira assinada. Pois, a pessoa não conta com a “segurança” de um contrato formal e deve provar que pode assumir o compromisso por longos anos. Sendo assim, existem alguns fatores a serem verificados.

Veja a seguir! 

Nome limpo 

Na avaliação do cadastro, a instituição que vai dar o financiamento verificará se a pessoa não tem o famoso “nome sujo”. Ou seja, se seu CPF não está ligado a pendências e dívidas. Para isso, também se avalia dados como o score ou cadastro positivo. No caso do score, é a pontuação recebida com base no histórico de pagamentos.

Assim, quanto mais alto o score, menos risco a pessoa oferece para a instituição e mais fácil será ter seu financiamento aprovado. Já o cadastro positivo avalia não só a inadimplência como também o histórico de bom pagador. Além disso, o banco também pode pedir a certidão negativa de débitos, a fim de confirmar que não há dívidas com o governo. 

Riscos para o banco 

Com documentos pessoais em mãos e os dados sobre inadimplência ou cadastro positivo, o banco avaliará os riscos do financiamento imobiliário para autônomos. Ou seja, dependendo dos dados obtidos, é possível traçar um panorama e verificar se vale a pena liberar o crédito. Por exemplo, quem tem score alto e oferece poucos riscos para o governo pode ser aprovado mais rápido. Já quem tem score médio pode até ser aprovado, mas com algumas limitações. 

Determinação do crédito 

Nem todos os profissionais autônomos conseguirão se enquadrar no mesmo cenário de financiamento. Afinal, após avaliar os riscos, o banco poderá estabelecer limites na contratação do crédito. 

Por exemplo, quem tem um histórico bom de pagamento, mas uma renda menor pode até conseguir um valor de crédito liberado maior do que quem ganha mais, mas não demonstra um histórico seguro. Outra questão é que isso também influencia as taxas de juros. Ou seja, pessoas que oferecem mais riscos, além de terem um crédito menor, tendem a pagar taxas maiores. 

Qual é a forma de comprovar a renda autônoma no financiamento? 

Sem holerite, havia muitas dificuldades em comprovar a renda para conseguir um imóvel. Agora, existem mais possibilidades para fazer o financiamento imobiliário para autônomos.

Confira a seguir! 

Extratos bancários 

Os extratos bancários podem ser comprovantes importantes para quem não tem receita. Afinal, mostram o recebimento de pagamentos. Contudo, também apontam saídas e outras informações. Sendo assim, para usá-los, é interessante seguir algumas dicas. 

  • receber os pagamentos em apenas uma instituição, de preferência em uma conta antiga ou do banco no qual o pedido de financiamento é feito;
  • evitar usar o limite de cheque especial e deixar a conta “no vermelho”;
  • verificar o aceite de extratos de bancos digitais antes de enviá-los como documentos, a fim de não atrasar o processo, caso sejam recusados. 

Decore 

A Declaração Comprobatória de Percepção de Rendimentos é outro documento válido, que pode ser usado por autônomos. Nesse caso, ele comprova o recebimento da renda com base na declaração de movimentações financeiras avaliadas por um contador profissional, que deve ser registrado junto ao Conselho Federal de Contabilidade. 

RPA 

O Recibo de Pagamento de Autônomo é um documento que comprova a prestação de serviço por um profissional sem CNPJ. Ele é emitido pela empresa ou pessoa física que contrata e deve conter a descrição de impostos, como INSS e ISS. 

Declaração Anual MEI 

Para quem é MEI, também é possível usar a declaração anual do MEI para comprovar a renda recebida no ano anterior. Feita de forma digital, ela reúne todas as informações de recebimentos e pagamentos a funcionários, se houver, relacionados à empresa. 

Declaração de Imposto de renda 

A tradicional declaração de renda é um dos melhores comprovantes para quem é autônomo. Afinal, é uma declaração comprovada pelo governo da renda obtida durante um ano. Além disso, mesmo para quem é isento ou já fez declarações da empresa como MEI, ela pode ser usada para comprovar a renda como pessoa física. 

Antigamente, um financiamento imobiliário era mais complicado de conseguir, geralmente limitando-se a quem tinha uma carteira assinada. Contudo, com cada vez mais pessoas trabalhando de forma autônoma, os bancos abriram condições para que outros públicos pudessem fazer o empreendimento.

Assim, surgem várias possibilidades de financiamento imobiliário para autônomos. Entretanto, para isso, é preciso providenciar os documentos que comprovem a renda e manter um bom histórico para ser aprovado e conseguir o imóvel dos sonhos

Gostou do post? Deixe seu comentário com dúvidas ou outras dicas de como comprovar renda para autônomos! 

Compartilhar.

Confira agora
os nossos imóveis

Apartamentos exclusivos com ótimos preços e condições.

Ver empreendimentos

Comentários estão fechados.